Promon Engenharia participa do projeto e da construção da Unidade Termelétrica Pampa Sul

Publicado em 25/10/2016

Unidade a carvão tem relevância para o setor enérgico brasileiro e, principalmente, para o Sul do País, pois aumenta o grau de confiabilidade do sistema, reduz o risco de déficit de energia, bem como a necessidade de importação de energia proveniente de outras regiões.

A Promon Engenharia insere em seu portfólio mais um empreendimento de grande relevância para o setor energético do Brasil: a Unidade Termelétrica de Pampa Sul, localizada em Candiota, Rio Grande do Sul, cujo cliente final é a ENGIE e a EPCista é a SDEPCI, empresa que contratou a Promon.

O relacionamento de sucesso da Promon com a SDEPCI remonta aos contratos da Vale, como UTE Barcarena e UTE Setentrional, realizados entre 2006 e 2009. Esse relacionamento foi retomado na UTE Pampa Sul, começando com um serviço de consultoria para adequar os projetos básico e executivo do empreendimento às normas e práticas de construção brasileiras. Esse primeiro serviço abriu portas para novas oportunidades como a implantação de todos os processos de gerenciamento da construção civil, além da elaboração do projeto executivo civil, atividades de consultoria realizadas no Brasil e na China, e a gestão ambiental do empreendimento, para a qual foi contrata a Brandt Meio Ambiente, empresa parceira da Promon Engenharia.

Em agosto de 2016 a construção completou um ano, considerando as primeiras atividades de terraplenagem que foram iniciadas em meados do ano passado. Importantes marcos das obras civis já foram alcançados, dentre os quais a primeira concretagem da fundação da caldeira, o término da fundação da caldeira e a conclusão da fundação da chaminé.

A UTE Pampa Sul é uma obra grande, importante para o Estado do Rio Grande do Sul e para o Brasil e, por vários motivos, complexa do ponto de vista do gerenciamento da construção civil e terraplenagem. Portanto, a Promon Engenharia mobilizou uma equipe de gestão muito experiente que, trabalhando em conjunto com a equipe de gestão da SDEPCI, venceu muitos desafios, conseguiu cumprir os primeiros marcos do cronograma do projeto e abriu espaço para o início da montagem eletromecânica. A nossa equipe iniciou as atividades de gestão antes mesmo da liberação do terreno para a terraplenagem, conta Ricardo Lorenz Barbosa,  Gerente, Construção Civil da Promon Engenharia.

Sobre a Promon Engenharia

Fundada em 1960, a Promon Engenharia, pertencente ao Grupo Promon, é uma empresa brasileira reconhecida por sua competência em engenharia, gerenciamento de empreendimentos e forte capacidade empreendedora. Sua atuação abrange prioritariamente projeto, integração e implementação de soluções complexas de infraestrutura para setores-chave da economia. Entre eles, destacam-se mineração e metalurgia, energia elétrica, óleo & gás, indústrias de processo e química e petroquímica.

Em seus 54 anos de atividade, a Promon Engenharia desenvolveu um dos mais expressivos conjuntos de projetos já realizados por uma empresa nacional nas áreas de infraestrutura. Neste período, participou de iniciativas que trouxeram impactos diretos para o desenvolvimento do país, como a construção de refinarias de petróleo, unidades petroquímicas, terminais marítimos, usinas geradoras de energia e seus sistemas de transmissão, plantas siderúrgicas e de mineração, indústrias automotiva e aeronáutica, implantação de redes de telefonia, edificações comerciais, além de grandes projetos ferroviários, rodoviários e de transportes urbanos.

O destaque como “Empresa do Ano”, conquistado pelo Grupo Promon, na edição de 2011 do anuário “Melhores e Maiores” da revista Exame, a presença constante do Grupo nos rankings das melhores empresas para se trabalhar e  das empresas-modelo em sustentabilidade empresarial, conquistas como o Prêmio “MAKE – Most Admired Knowledge Enterprises” e o “Top of Mind em Gerenciamento de Projetos” do PMI – Project Management Institute, além do recebimento do Prêmio Nacional da Qualidade da Fundação Nacional da Qualidade, em 2007, demonstram a solidez de suas práticas de gestão e o sucesso do modelo empresarial do Grupo.​

Sobre a SDEPCI (www.sdepci.com:800/)

Shandong Electric Power Engineering Consulting Institute Corp., Ltd. (SDEPCI), fundada em 1958, é líder no mercado interno e um provedor internacionalmente competitivo de consultoria de engenharia de energia elétrica e serviços de construção do projeto. A SDEPCI está empenhada em apoiar seus clientes globais com soluções  de energia seguras, econômicas, eficientes e limpas.

Sobre a ENGIE (www.engie.com)

A ENGIE desenvolve seus negócios (eletricidade, gás natural e serviços) em torno de um modelo baseado em crescimento responsável a fim de enfrentar os grandes desafios da transição energética para uma economia de baixo carbono: acesso à energia renovável, atenuação e adaptação às mudanças climáticase uso racional dos recursos naturais.

O Grupo fornece soluções altamente eficientes e inovadoras para pessoas, cidades e empresas principalmente em função do seu conhecimento técnico em quatro setores-chave: energias renováveis, eficiência energética, gás natural liquefeito e tecnologias digitais.

A ENGIE possui 154.950 funcionários em todo o mundo e obteve receitas de € 69,9 bilhões em 2015. Cotado nas bolsas de Paris e Bruxelas (GSZ), o Grupo está representado nos principais índices internacionais: CAC 40, BEL 20, DJ Euro, Stoxx 50, Euronext 100, FTSE Eurotop 100, MSCI Europe, DJSI World, DJSI Europe e Euronext Vigeo (Eurozone 120, Europe 120 e France 20).

Sobre a Engie Brasil (www.engie.com.br)

No Brasil, a ENGIE é a maior produtora privada de energia elétrica no país, operando uma capacidade instalada de 12 GW em 29 usinas em todo o Brasil, o que representa cerca de 6% da capacidade do país. O Grupo possui 85% de sua capacidade instalada no país proveniente de fontes limpas, renováveis e com baixas emissões de gases de efeito estufa, posição que tem sido reforçada pela construção de novas eólicas no nordeste do país.

Atualmente, a ENGIE está construindo uma das maiores hidrelétricas do Brasil, a hidrelétrica Jirau (3.750 MW), no Rio Madeira, em Rondônia.

O Grupo também está presente no mercado de geração solar distribuída e oferece serviços relacionados à energia, engenharia e integração de sistemas, atuando no desenvolvimento de soluções de telecomunicações, segurança e sistemas de gerenciamento de risco, mobilidade urbana, iluminação pública, aeroportos, soluções digitais (plataforma customizada de software), segurança pública e infraestrutura crítica.

Com 3.000 funcionários, a ENGIE teve um volume de negócios de R $ 7 bilhões no país em 2015.